sexta-feira, 15 de maio de 2020

Após Bolsonaro pressionar por uso de cloroquina, Nelson Teich pede demissão

Nos bastidores, Teich teria dito que não quer manchar a própria trajetória como médico para mudar um protocolo



O ministro da Saúde, Nelson Teich, pediu demissão do cargo, nesta sexta-feira (15/5), após ser convocado ao Palácio do Planalto pelo presidente Jair Bolsonaro. O médico e o presidente tiveram divergências sobre políticas públicas em meio a pandemia de coronavírus.

A falta de entendimento sobre o protocolo do uso da hidroxicloroquina no tratamento da covid-19 seria uma das principais motivações para o pedido de demissão. Nos bastidores, Teich teria dito que não quer manchar a própria trajetória como médico para mudar um protocolo.

O debate sobre o uso da cloroquina no tratamento da covid-19 já havia sido ponto de debate entre o ministro e o presidente nesta semana. Uma coletiva de imprensa foi convocada para a tarde desta sexta-feira para explicar os motivos da saída do ministro.

Teich deixa o Ministério da Saúde um dia antes de completar um mês no cargo. Ele entrou no lugar de Luiz Henrique Mandettaque também é médico e divergia da vontade do presidente das ações no combate à pandemia do novo coronavírus

Pressão e impasse

O impasse começou quando Teich defendeu, na última quinta-feira (12/5), nas redes sociais que o medicamento não tem eficiência comprovada e causa profundos danos colaterais. “Um alerta importante: a cloroquina é um medicamento com efeitos colaterais. Então, qualquer prescrição deve ser feita com base em avaliação médica. O paciente deve entender os riscos e assinar o “Termo de Consentimento” antes de iniciar o uso da cloroquina”, disse.

Nenhum comentário:

Postar um comentário