domingo, 2 de fevereiro de 2020

Motorista de ônibus que se envolveu em acidente com três mortos e 30 feridos alega não ter culpa, diz polícia

Segundo o delegado, o condutor disse que perdeu o controle da direção e que pode ter acontecido uma falha mecânica no veículo. Um adolescente de 16 anos viajava no bagageiro.


Por Rafael Oliveira, G1 GO

O motorista do ônibus de turismo que se envolveu no acidente com um caminhão, em Porangatu, no norte de Goiás, foi levado para a delegacia de Polícia Civil da cidade, onde prestou depoimento após receber atendimento médico para os "ferimentos leves", segundo a Polícia Rodoviária Federal. A batida na BR-153 causou a morte de três pessoas e deixou 30 feridos, no sábado (1º), de acordo com informações do Corpo de Bombeiros.
G1 tentou fazer contato com a empresa Toninho Tur, no domingo (2), às 15h, mas as ligações não foram atendidas.
Segundo o delegado André Medeiros, de Porangatu, o motorista alegou não ter culpa no acidente. "Ele afirmou que avistou caminhões em baixa velocidade à frente e tentou frear. Como não conseguiu, o motorista desviou, perdeu o controle da direção e acabou colidindo com o caminhão. Segundo o homem, pode ter havido uma falha mecânica no veículo também", explica o delegado. O motorista foi interrogado e liberado para responder em liberdade por homicídio culposo e lesão corporal culposa.
Segundo o registro da PRF, o ônibus que saiu de São Luís do Maranhão com destino a Brasília, no DF, transportava 56 passageiros quando invadiu a pista contrária e colidiu com o caminhão. Dois homens que viajavam na carreta morreram no local.
A terceira morte foi de uma passageira do ônibus. O Corpo de Bombeiros de Porangatu diz que 30 pessoas sofreram ferimentos diversos e foram levadas ao Hospital Municipal da cidade. As demais vítimas que não apresentaram ferimentos foram transportadas pela Defesa Civil para a cidade de Porangatu.


Suspeita de superlotação

Os passageiros sem ferimentos dormiram em uma espécie de base de apoio montada por voluntários da cidade. Os colchões onde crianças aparecem em imagens dormindo dentro de uma sala de escola foram doados pela população.
Uma passageira do ônibus que se identificou como Luzinete disse em um vídeo que o ônibus estava superlotado. "Tinha passageiro até no bagageiro do ônibus", relata a mulher, que saiu de São Luís, no Maranhão, para Brasília, no Distrito Federal.
O autônomo Hamilton Lucena, de 47 aos, morador de Novo Gama, no Entorno do Distrito Federal, disse que seu filho de 16 anos viajava no bagageiro do ônibus. O jovem foi atendido no hospital e liberado após exames constatarem um dedo quebrado.
"É um absurdo colocar meu filho adolescente para viajar no bagageiro. Disseram para ele que o ônibus estava cheio e tinha um colchão lá, que ele poderia ir dormindo. Eu nem sabia disso", relata o pai.

G1 GO 

Nenhum comentário:

Postar um comentário